• AdegaMãe
  • Cazas Novas
  • Couteiro-Mor
Projeto

Cazas Novas

________________

Tudo nasce em torno de um impressionante solar do séc. XVII, carregado de história e de tradição. E é por ali, em Santa Marina do Zêzere, que está a Quinta de Guimarães, o berço do vinho Cazas Novas, um projecto a três que me envolve a mim, ao meu grande amigo Vasco Magalhães (especialista na área comercial) e ao responsável por isto tudo: Carlos Coutinho.

Foi o Carlos Coutinho, 7ª geração na família proprietária da Quinta de Guimarães, que em 2010 nos desafiou a dar um novo impulso aos vinhos ali produzidos. E assim nasceu o projecto e o Cazas Novas, um Vinho Verde feito maioritariamente de Avesso, a casta dominante da Quinta de Guimarães.

 

 

A região é muito especial, está precisamente localizada na zona de transição entre a Região dos Vinhos Verdes e o Douro, e isso é para nós um factor muito interessante: temos aquela acidez que nos assegura a frescura emblemática dos Vinhos Verdes, mas estamos num local mais quente, que permite outras maturações e confere ao vinho um perfil mais aberto, com outro tipo de boca. A própria especificidade do Avesso – uma das mais originais castas nacionais – e os solos graníticos ajudam a explicar a originalidade da preciosidade que engarrafamos, um vinho profundamente mineral, com notas de pêssego branco e grande acidez.

 

Cazas Novas

 

Creio não ser por acaso que estamos presentes essencialmente em mercados internacionais, onde existe outra disponibilidade para um vinho com este perfil e interesse, ou em cartas de restaurantes com estrelas Michelin, que procuram opções sempre diferenciadoras. Sendo um projecto muito pequeno, de cerca de 20.000 garrafas/ano, é igualmente muito gratificante: nestas coisas da enologia, é sempre um prazer ter a oportunidade trabalhar condições de tamanha originalidade e carácter.

 

Deixar um comentário
Projeto

Couteiro-Mor

________________

Este é o meu primeiro projecto enquanto consultor de enologia. Há, portanto, aqui uma ligação sentimental muito forte, por ser uma das primeiras casas a acreditar em mim e no meu trabalho, mesmo quando iniciámos a aventura, em 2010, estava eu numa fase muito inicial da minha carreira.

Quando falamos de Couteiro-Mor, está em causa um produtor clássico do Alentejo, que começou a engarrafar vinhos no início dos anos 90, apontando desde logo a um posicionamento muito interessante, procurando produzir vinhos muito directos, de qualidade, que facilmente se tornariam uma referência no mercado.

A tarefa herdada não era pequena. É nesta casa, por exemplo, que está a vinha da Granja, uma das vinhas referência do Alentejo, onde são colhidas as uvas que dão origem ao famoso Vale de Ancho, um dos tintos de maior distinção em Portugal, que chegou a conquistar dois Prémios Excelência. São cerca de 40 hectares de vinha não regada, numa impressionante encosta xistosa do concelho de Montemor-o-Novo, terreno sequeiro que transmite um carácter único ao vinho.

Com as restantes herdades – Menir, Guião, Campo Frio e Herdade do Raimundo – somamos mais de 100 hectares de vinha que rondam uma produção de 1 milhão de Kg por ano. É esta a dimensão de um projecto que procura honrar o nome construído desde as primeiras vindimas, quando o Sr. Gabriel Francisco Dias começou a colher e a vender para fora as primeiras uvas, e depois a fazer os próprios vinhos.

Em 2012, o projecto seria adquirido pela família Barão Rodrigues, capaz de implementar uma nova dinâmica de investimentos não apenas na parte produtiva, mas igualmente a nível comercial.

Deixar um comentário
Projeto

Morais Rocha Wines

________________

Há pessoas muitos especiais, de personalidade vincada, que nos marcam imediatamente pelo seu carácter. Conheci o José Morais Rocha em 2010, através de um amigo comum, e rapidamente criámos empatia. É muito fácil gostar do José, uma figura, um orgulhoso alentejano, apegado à terra, mesmo apesar de a carreira profissional, na gestão de empresas, o ter desviado para Lisboa.

 

Morais Rocha Wines

 

Ler mais

Deixar um comentário
Projeto

Vinhos Magma

________________

Isto de chamar Vinhos Magma ao projecto é só a mais recente evolução. No último ano andámos tão entusiasmados com os vinhos que (re)nascem nas curraletas dos Biscoitos, ali no lado Norte da Ilha Terceira, nos Açores, que nem tínhamos percebido que criámos uma marca, imposta da forma mais simples e natural: Vinhos Magma. É que se trata disso mesmo, vinhos nascido no magma.

Ler mais

Deixar um comentário